Notícia  
Vila Olímpica do Sampaio recebe baile da terceira idade pós-carnaval
19/02/2016 - 13h03
O "I Grito de Pós-Carnaval" agitou quem esteve presente na última quinta-feira (18/02) na Vila Olímpica do Sampaio. O local, uma das instalações esportivas da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (Seelje), abriu as portas para o evento em parceria com o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) - Mary Richmond, destinado aos idosos que vivem em situações de vulnerabilidade social e são atendidos através do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) da região da Zona Norte do Rio.

Pela primeira vez em parceria com o CRAS, o administrador da instalação Cristiano Gomes, falou sobre a importância de realizar a concessão do espaço para o evento.

– A Vila Olímpica é um espaço onde visamos fomentar não somente atividades esportivas, como também culturais, educativas e sociais. Um projeto como esse contribui para uma melhor qualidade de vida desses idosos, sendo esta, uma forma de oferecermos algo positivo para os moradores das comunidades próximas – disse Cristiano, acrescentando ainda que, por se tratar de um espaço público, a intenção é democratizar cada vez mais as atividades.

Maria da Glória Pinto, de 63 anos, esbanja vitalidade. Há quatro anos no projeto, ela conta que conheceu muitas pessoas e se encantou pela prática do artesanato.

– Me sinto muito bem quando estou lá. Não fico sozinha, me distraio, converso e desestresso com os trabalhos manuais. Esse colar fui eu mesma quem fiz para o baile de hoje – contou ao exibir o adereço. Maria ainda completa:

– É fundamental ter dedicação, pois é como uma escola. Além de sempre aprender muitas coisas novas, a gente trabalha em cima de necessidades básicas de quem já tem mais idade. – acrescentou.

Já a dona Maria Regina Olegário, mora sozinha, mas conta que fazer parte do projeto foi fundamental em sua vida e melhorou principalmente sua convivência com as pessoas, inclusive com a própria família.

– O projeto é maravilhoso e a ideia de fazer o baile pós-carnaval foi ótima. É muito importante ter essas atividades recreativas, porque é uma forma de estarmos sempre interagindo com pessoas diferentes. Hoje em dia penso que, quanto mais contato com o público, melhor – afirmou a senhora, de 67 anos.

O projeto, que é formado na sua maior parte por mulheres, conta também com atividades físicas, dinâmicas de grupo, palestras informativas, atividades socioeducativas, além de momentos de descontração e lazer.

– Nós organizamos passeios ou festas a cada dois meses, sempre seguindo algum tema. Pra gente é maravilhoso saber que estamos proporcionando bons momentos para a vida deles – disse Áquila Alberico, assistente social do CRAS - Mary Richmond.


Tecnologia PRODERJ - Todos os direitos reservados